sexta-feira, 17 de agosto de 2012

Aviso


(Com desculpas pela eventual falta de acentuação)
A mim, ninguem me vai ouvir criticar as nomeações.

O major disse numa escuta, referindo-se aos árbitros, que “ao Porto todos servem”. A possível inversão deste certeiro aforismo poderia ser “ao Benfica nenhum serve”. Se nao fosse Soares Dias para amanha, seria Proenca, Olegario, Elmano, Cosme, Paixão ou qualquer outro da pandilha e estaríamos igualmente mal. Em vez de todas as semanas criticarmos a nomeaçãodevíamos criticar a classe como um todo, humilha-los metendo-os todos no mesmo saco e forcando os melhores a melhorar se se quiserem diferenciar (acham que cagoes como o Jorge Sousa e o Soares Dias gostam de ser postos no mesmo saco que o Elmano?). Por outro lado, importa, a cada oportunidade que se tem, conota-los com o Porto, condicionando-lhes as hipóteses de beneficiarem esse clube e deixando preparado o momento de os criticarmos (se somente criticamos quando perdemos, parece oportunismo). E, sobretudo, mentalizar os jogadores, todos os dias, a todas as horas e durante todos os jogos de que nao ha espaço para errar porque jogamos sempre, repito, sempre, contra catorze. O nome do palhaço do apito, entao, pouco me interessa, porque para mim sao todos iguais.
Tudo o resto so serve para desperdiçar energia.  

2 comentários:

  1. Ora meu caro, curioso que ainda hoje disse isto:Não vou comentar nomeações, hoje, a minha confiança na arbitragem portuguesa é igual à confiança que tenho no jornalismo, ou seja, nula, como tal, para mim, qualquer nomeação é sempre suspeita, até porque os árbitros estão também eles enredados nesta complexa teia em que o nosso futebol se move, melhor exemplo e mensagem dada aos árbitros, foi o que aconteceu ao grande obreiro do título portista, Pedro Proença e o que aconteceu ao único árbitro que lesou o Porto num jogo, Bruno Paixão a quem lhe retiraram as insígnias da FIFA, melhor mensagem para aquilo que estes senhores devem fazer não poderia ser dada.

    ResponderEliminar